Dia Mundial do Autismo é celebrado pelo Movimento Escoteiro

3 abril 2017

Neste domingo (2), comemoramos o Dia Mundial da Conscientização do Autismo. É um momento importante para reflexão acerca da doença, mas, principalmente, de lutar contra o preconceito.

Em 2016, nosso tema anual “Diversidades que nos unem” trabalhou a inclusão de diversas formas ao ampliar as atividades propostas para crianças, adolescentes e jovens nos materiais de jogos e dinâmicas de grupo do Movimento Escoteiro. Dessa forma, as atividades estimulam o contato com as diferenças e evitam a formação e propagação de preconceitos.

Para a terapeuta ocupacional Anahí Reis Romero, “as atividades contribuem para a melhora no desenvolvimento físico, cognitivo e social, já que há uma preocupação com a inserção do mundo do autista no nosso mundo”. Dessa forma, crianças que têm dificuldades em expressar sentimentos, emoções e pensamentos veem nos grupos escoteiros um lugar seguro e propício para interações.

O autismo

Com mais de 150 mil casos por ano no Brasil, o Autismo é um transtorno que afeta o sistema nervoso. Não existe cura, mas quando tratado adequadamente permite uma vida ativa e saudável para seus portadores, de acordo com a gravidade dos sintomas. Os mais comuns incluem: dificuldade de comunicação, interações sociais, interesses obsessivos e comportamentos repetitivos.

O reconhecimento precoce, bem como terapias comportamentais, educacionais e familiares, pode reduzir os sintomas e apoiar o desenvolvimento e a aprendizagem.

Rafael Rocha (na foto) é um ótimo exemplo: foi diagnosticado com Asperger (condição neurológica do espectro autista) quando tinha 18 anos. Seus pais perceberam no Movimento Escoteiro um ambiente capaz de contribuir para seu desenvolvimento e, assim, ele entrou para o Ramo Escoteiro junto com as irmãs. Hoje, 23 anos depois de seu primeiro contato, ele é chefe escoteiro no Grupo Escoteiro Santos Dummont (20º/PR).

Para a sua família, ter o Rafael no Grupo Escoteiro contribuiu para encontrar outras pessoas e amizades. “Ele adora, acampar, conhece todo mundo e tem uma memória fantástica. A gente vê que ele gosta mesmo e que não é por obrigação, é por amor”, explica Alice Rocha, mãe do chefe escoteiro.

Já Cristiane Lima é Akelá e viu seu filho Ruan Soares crescer, se desenvolver e socializar no Movimento Escoteiro. Ele também é autista e, em 2016, passou do Ramo Lobinho para a tropa escoteira no G.E. Chico Science (40º/PE). “Ele adora preparar as tarefas para tirar especialidades. Já tem em culinária, canoagem, etiqueta, paleontologia e está se preparando para pintar sua 3ª tela para a especialidade de pintura”, explica.

O ambiente fraterno e cercado de amigos proporcionado no Escotismo incentiva o desenvolvimento e facilita a superação de obstáculos. Acreditamos que conviver com as diferenças é aprender a respeitá-las e compreender o mundo com mais respeito e amor, características fundamentais para deixar o mundo um lugar cada dia um pouquinho melhor, exatamente como nos pediu Baden-Powell.

Confira atividades e materiais sobre inclusão:

Jogos e Dinâmicas de Grupo – Pessoa com Deficiência

Como lidar com as deficiências

11º Mutirão Escoteiro Nacional de Ação Comunitária – Escotismo é Inclusão

XXIII Elo Nacional 2009 – Escotismo é Inclusão

Skip to content