Perguntas Frequentes

A página de Perguntas Frequentes reúne as principais perguntas e suas respostas relacionadas aos diversos temas dos Escoteiros do Brasil.

Para conhecer mais, basta clicar em cada seção da coluna à esquerda e todas as perguntas serão mostradas no formato de quadrados. Caso queira ler mais, basta clicar no sinal de +.

Devemos realizar reuniões, acampamentos ou atividades escoteiras pessoalmente?

Não, neste momento, todos devemos fazer sua parte e ficar em casa. As atividades dos Grupos Escoteiros estão suspensas até 25 de maio e este prazo poderá ser reavaliado a qualquer momento. Atividades regionais e nacionais sofreram alterações, você pode saber mais sobre as decisões a nível nacional no Ofício 58/2020 assinado pela DEN. Essas orientações se aplicam para jovens e adultos. Siga também as restrições descritas pelo Ministério de Saúde ou por outras autoridades locais.

+

É recomendado que minha patrulha se encontre na casa do monitor? Ou a chefia faça reunião de seção presencial?

Não, neste momento precisamos evitar a propagação do COVID-19, então se você quiser fazer reuniões com sua patrulha ou chefia que tal usar os meios digitais? Caso você não saiba como funciona essas ferramentas, confira nossas dicas.

+

Posso manter a avaliação das progressões dos jovens de minha seção, mesmo a distância?

Sim! Utilizando as ferramentas mAPPa e Paxtu para registrar as progressões, bem como ferramentas de comunicação como WhatsApp e Skype, dentre outras, escotistas e jovens podem manter contato para avaliar as atividades. É importante compreender que várias atividades podem ser substituídas ou flexibilizadas de forma que possam ser executadas com recursos e no espaço em que o jovem esteja neste período de quarentena. Neste momento, precisamos ser criativos e ao longo dos dias iremos publicar conteúdos e dicas para que todos sigam as suas progressões neste momento de distanciamento social.

+

Haverá alguma flexibilidade para o prazo das conquistas especiais, visto que não será possível concluir algumas etapas?

Sim, estamos construindo as orientações de como vão funcionar as conquistas especiais após passar o período de distanciamento social. Não se preocupem, estamos cientes que com as atividades suspensas todos terão dificuldades em concluir seus processos, por isso trabalharemos para que nenhum jovem seja prejudicado!

+

Até quando as atividades estão suspensas?

As atividades presenciais no Nível Nacional estão suspensas até 30 de junho, conforme Ofício 53/2020 assinado pelo CAN e DEN.​Todas essas decisões irão seguir as datas apresentadas nos documentos citados, mas podem ser alteradas a depender dos dados apresentados futuramente pelas autoridades competentes. Em ambos os níveis, nacional e regional, continuaremos a avaliar o cenário, e a emitir orientações por meio dos nossas canais oficiais, podendo os prazos referidos sofrerem alterações.

+

Como ficam as atividades semanais?

Elas podem continuar acontecendo, mesmo que a distância. Nossa orientação é que os escotistas continuem a oferecer as atividades, de maneira flexível, usando a internet. Muitos jogos, gincanas, atividades de patrulhas, especialidades e muitas outras podem ser feitas desde de casa. Não deixem de aproveitar e envolver as famílias, é uma ótima oportunidade!

+

O que iremos fazer no período sem atividades presenciais?

​Tenha em mente duas importantes ações para as próximas semanas:

​1. Não entre em pânico.

2. Fique em casa.​

Nós próximos dias iremos disponibilizar materiais e fichas com atividades domiciliares, a fim de assegurar a continuidade das atividades de Progressão destinadas aos jovens. Serão sugestões de atividades que podem ser realizadas em sua casa, com a sua família e que irão divertir, educar e manter o seu espírito escoteiro. Sabemos que ninguém gostaria de ficar trancado em casa e longe dos seus amigos escoteiros. Porém, neste momento é importante tomarmos algumas medidas de prevenção para cuidar da saúde de todos os jovens, voluntários e nossos familiares.​​

​É preciso pensar global e agir local, estamos seguindo orientações do Ministério da Saúde e das autoridades competentes. Lembre que não estamos em período de férias, seja do Grupo Escoteiro ou da escola, é importante ficarmos em casa e cuidar da saúde. A prevenção é o melhor caminho para evitarmos uma situação ainda mais grave.

+

O que são especialidades?

Especialidades são conquistas individuais que oferecem ao jovem um novo conhecimento em um determinado tema. Elas fazem parte do Programa Educativo dos Escoteiros do Brasil, como um apoio ao desenvolvimento das crianças, adolescentes e jovens que são, desde pequenos, incentivados a pesquisar sobre novos assuntos e também desenvolver novas habilidades.

Elas também são requisitos obrigatórios para os Distintivos Especiais do Ramo Lobinho (6,5-10 anos), Ramo Escoteiro (11 a 14 anos) e Ramo Sênior (15 a 17 anos).

+

O que são os Ramos de Conhecimento e qual a diferença entre eles?

Os Ramos de Conhecimento são categorias nas quais as especialidades estão divididas e cada um possui um conjunto específico de especialidades, que proporcionam ao jovem a ampliação do seu conhecimento ou de suas habilidades numa determinada área.

 

  • Ciência e Tecnologia, agrupa especialidades ligadas ao estudo e aplicação de conhecimentos de diferentes ciências humanas e exatas.
  • Cultura, agrupa especialidades ligadas às diferentes manifestações culturais, incluindo as artes e a cultura pop.
  • Desportos, agrupa especialidades ligadas às diferentes modalidades esportivas, coletivas ou individuais.
  • Serviços, agrupa especialidades ligadas, basicamente, às profissões.

Habilidades Escoteiras, agrupa especialidades ligadas aos conhecimentos técnicos aplicáveis no Escotismo.

+

É preciso variar os Ramos de Conhecimento ao escolher que especialidades conquistar?

Sim. Para que o jovem avance em sua progressão pessoal será necessário que ele conquiste especialidades de diferentes Ramos de Conhecimento. As definições dos Ramos de Conhecimento ou mesmo das especialidades específicas que o jovem deve conquistar, estão definidas nos diversos capítulos do P.O.R. (Princípio, Organização e Regras), a exemplo da Regra 173, que trata das Insígnias das Modalidades e da Regra 174, que trata dos Distintivos Especiais.

+

A partir de quando posso conquistar uma especialidade? Preciso ter promessa?

Segundo a Regra 169 do P.O.R. (Princípio, Organização e Regras), as especialidades só podem ser conquistadas após a Cerimônia de Integração, portanto, não é necessário ter promessa para realizar os itens para conquista de uma especialidade.

+

Um jovem pode conquistar qualquer especialidade?

Sim. O jovem é livre para conquistar qualquer uma das especialidades, independentemente da idade ou fase da progressão pessoal em que se encontra. O interessante é conhecer quais especialidades, ou Ramos de Conhecimento são obrigatórios para a conquista de determinados distintivos. 

+

Como um jovem conquista cada um dos níveis de uma especialidade?

Para conquistar cada um dos níveis é necessário realizar ⅓ (um terço) do total dos itens da especialidade. Cada terço equivale a um nível da especialidade, representados pelas diferentes cores: Amarelo – Nível 1, Verde – Nível 2 e Grená – Nível 3.

     

Dê uma forma simples, para saber quantos itens deve-se fazer para conquistar o nível 1, o jovem deve pegar o número total de itens e dividir por 3. Exemplo: A Especialidade de Babá possui 9 itens e portanto, para a conquista de cada nível, o jovem deve realizar 3 itens, cumulativamente.

+

Os níveis das especialidades estão ligados aos Ramos? Ex.: Lobinhos Nível 1, Escoteiros Nível 2 e Sênior Nível 3?

Não. Como definido na Regra 169 do P.O.R. (Princípio, Organização e Regras), cada especialidade poderá ser conquistada em três níveis progressivos, Nível 1, Nível 2 ou Nível 3, que se distinguem pela complexidade e pelo grau de dificuldade dos requisitos estabelecidos para sua conquista, não guardando qualquer relação com os ramos em que se desenvolve a progressão pessoal. 

+

O Grupo Escoteiro ou os Escotistas de uma Seção podem exigir que o jovem conquiste um determinado nível da especialidade?

Não. Lembre-se que a conquista de especialidades parte do interesse individual dos jovens. Os únicos casos onde isto é cabível são aqueles em que o jovem precisa conquistar uma determinada especialidade, em um determinado nível para conquistar algum Distintivo Especial do Ramo em que participa.

Ex.: Especialidade de Primeiros Socorros Nível 2 para a conquista do Cordão Vermelho e Branco.

+

O jovem precisa ser especialista num determinado tema para receber a especialidade ou pode fazer a especialidade apenas para aprender algo novo?

Não. Um dos objetivos das especialidades é fazer com que o jovem adquira conhecimento sobre um assunto que lhe chamou atenção. O escotista deve estar mais interessado no esforço em que o jovem desenvolve, do que simplesmente nos conhecimentos e habilidades que adquirem.

+

Um jovem pode fazer mais de uma especialidade ao mesmo tempo?

Sim. O jovem pode realizar diversos itens, de diferentes especialidades, ao mesmo tempo. Ele inclusive, não precisa concluir os itens necessários para a conquista de uma especialidade na seção que pertence.

 

Ex.: Um escoteiro pode realizar um item da especialidade de Cuidado com Idosos enquanto membro da Tropa Escoteira, mas conquistar o Nível 1, realizando um segundo item, depois de ter passado para a Tropa Sênior.

+

Se um jovem tem vergonha de apresentar em público, ele pode conversar apenas com o examinador?

Sim. Em um caso extremo é possível que as apresentações aconteçam apenas para o examinador, mas é importante que o jovem seja estimulado a apresentar seu trabalho para outras pessoas, desenvolvendo dessa forma habilidades de comunicação em público.

+

Se um jovem faz algum tipo de aula ou treina algum esporte, pode convidar seu professor/treinador para atuar como examinador?

Sim. Quanto maior o for o conhecimento do examinador melhor. Dessa forma a conquista se torna ainda mais rica, pois possibilita a intensa troca de informações do jovem com o examinador-especialista. Lembre-se que o examinador assina o certificado de conquista de uma especialidade junto do responsável da seção.

+

O jovem deve receber um certificado de especialidade?

Recomenda-se a entrega de um certificado que comprove a conquista do jovem. Mas o mais importante, é o mais importante é o registro da conquista na ficha individual do jovem no Paxtu.

+

É permitida a interpretação dos itens com a finalidade de trazer a situação para uma realidade mais próxima do jovem?

Sim. O escotista deve considerar o interesse do jovem, o caminho até a conquista da especialidade e, obviamente, todo o esforço empenhado nessa tarefa. Cabe ao escotista considerar também as limitações dos jovens, bem como buscar adaptações para situações específicas, de maneira que seja possível que o jovem conquiste determinados itens e especialidades. 

 

Ex.: Alterar de “apresentar para sua seção” para “apresentar para o examinador ou escotista” nos casos em que o jovem apresenta alguma deficiência ou alto nível de timidez.

+

Quando o escotista e/ou examinador devem passar a se envolver com a conquista da especialidade de um jovem?

O Escotista e o Examinador devem se envolver com a conquista da especialidade um jovem desde o momento que este sinalizar sobre seu interesse em conquistá-la. É aconselhável que o escotista ou o examinador acompanhem o empenho do jovem na conquista da habilidade ou conhecimento, cabendo ao final do processo, apenas a homologação destas conquistas.

+

Especialidade é individual ou pode ser feita em dupla?

A especialidade é uma conquista individual, porém, alguns itens abrem espaço para que o desenvolvimento da tarefa seja coletivo. Nestes casos, é fundamental que a participação em todo o processo seja de forma equiparada.

+

Um escotista pode atuar como instrutor e também como examinador de um jovem? Ex.: ensinei o jovem a fazer origami, eu também posso avaliar se ele completou ou não.

Sim. Desde que sua avaliação seja imparcial e que o jovem comprove a você que possui o conhecimento ou habilidade para conquista da especialidade. Cabe ressaltar que o momento que o escotista instruiu o jovem não deve ser considerado como a realização da especialidade.

+

Um jovem pode ser examinador de uma especialidade de outro jovem?

Sim. Um jovem pode ser examinador de uma especialidade desde que tenha conhecimento comprovado sobre o assunto.

 

Ex.: Um sênior faixa preta em Karatê pode ser o examinador da especialidade de Artes Marciais de um outro jovem.

 

+

O escotista é livre para “forçar” o jovem a realizar algo além do que a especialidade pede? Ex.: O item pede que o jovem apresente para a tropa, porém o escotista pede que algo escrito, além da apresentação?

Não é errado. Mas esta solicitação deve estar previamente acordada com ambas as partes e deve haver um objetivo claro, tanto para o jovem, quanto para o escotista. O mais importante é que o escotista não crie empecilhos e dificuldades desnecessárias para a conquista da especialidade.

+

O jovem deve buscar todas as informações da especialidade sozinho ou pode pedir ajuda do escotista?

O jovem deve buscar o apoio de um adulto desde o momento em que decide conquistar a especialidade, inclusive do próprio examinador, que nos casos em que for um especialista no assunto, poderá orientar também o processo de aprendizagem do jovem.

+

O examinador pode pedir mais itens, além daqueles que a especialidade possui?

Não. O examinador deve seguir o número de itens pré-definidos pelas especialidades.

+

O escotista deve registrar os pré-requisitos no certificado?

Não há necessidade. Uma vez que o jovem conquista um determinado nível de uma especialidade que possui pré-requisitos, subentende-se que estes foram atendidos.

+

O escotista pode adaptar os itens para um jovem como capacidade cognitiva limitada?

Todos os itens são adaptáveis para que um jovem com qualquer tipo de particularidade possa realizá-lo. Cabe aos escotistas reverem os itens e adaptarem para que o jovem consiga demonstrar que tem aquela competência.

 

Em caso de dúvida na adaptação de uma especialidade, entre em contato com a nossa Equipe Nacional de Especialidades pelo e-mail: especialidades@escoteiros.org.br

+

No caso de uma especialidade com pré-requisitos, é possível conquistar um nível dela, sem atendê-los?

Não. Os pré-requisitos servem como itens basilares para a conquista de uma especialidade, uma vez que se espera do jovem um mínimo de conhecimento ou habilidade sobre o tema escolhido.

 

+

Um jovem pode apresentar um trabalho de pesquisa sobre um assunto, feito no computador?

Sim. A apresentação pode ser feita usando os recursos que o jovem dispor, dominar ou preferir. Isso inclui o uso de recursos audiovisuais e também do uso do bom e velho papel e caneta.

+

Se identificarmos que o jovem esqueceu/desaprendeu o que havia apresentado sobre uma especialidade, posso retirar a especialidade dele?

Não. Neste caso, o recomendável é desenvolver atividades que colaborem com a retomada do conhecimento daquele jovem.

 

+

Depois que um jovem passar de seção de decidiu conquistar mais itens de uma especialidade, ele deve ser cobrado por aqueles itens conquistados na seção anterior?

Não. Os itens realizados nas seções anteriores, que garantiram ou não, ao jovem, o acesso a um determinado nível de uma especialidade não pode ser cobrados novamente, na outra seção, para a conquista de novos níveis.

+

O pai de um jovem do Grupo Escoteiro é profissional em um tema que as especialidades abordam, ele pode ser o examinador?

Sim. Se ele desejar também pode colaborar através de palestras ou oficinas sobre o tema. Convidar os pais para atuarem como examinador é uma estratégia bastante oportuna, servindo para ofertar conteúdos variados aos jovens e até mesmo identificar potenciais voluntários para o Movimento Escoteiro. 

+

O escotista pode realizar uma atividade para minha seção, relacionada a uma especialidade e considerar que os jovens a conquistaram?

Depende do que o item da especialidade solicita. Se o item especialidade não exige uma execução individual ou mesmo, que a realização parta do jovem, é possível que uma atividade ofertada a todos permita considerar a realização de um item. Mas lembre-se que o foco é o desenvolvimento individual, através de interesse e procura por algo novo. 

 

Ex.: Exemplo onde uma atividade ofertada a todos atende ao item da especialidade: Segurança do Trabalho, “Realizar uma visita de campo em uma empresa que possua a área de Segurança do Trabalho ou participar de uma palestra ministrada por um profissional da área de Segurança do Trabalho”.

 

Ex.: Exemplo onde uma atividade ofertada a todos não atende ao item da especialidade: Segurança Doméstica, “Apresentar uma palestra sobre prevenção de doenças e acidentes domésticos, a sua família, comunidade, seção ou grupo”.

+

Se a especialidade mudou de itens ou teve o número dos mesmos aumentados, o nível da especialidade conquistada muda?

As mudanças realizadas nos textos ou no número de itens de uma especialidade não alteram os níveis conquistados antes da mudança. Se uma especialidade muda durante o processo de conquista, caberá ao escotista marca os itens que entende ser mais adequados, para manter o nível já conquistado. Em suma, o que se recomenda é realizar uma equivalência, analisando os novos itens ou aqueles que foram alterados.

+

Concluir um item da especialidade é o mesmo que atingir uma competência, ou seja, o escotista deve observar no jovem a união do conhecer, habilidade e a ação?

Depende o que o item da especialidade solicita. Algumas especialidades trabalham com temas e atividades similares às da progressão. Caberá ao escotista, juntamente com o jovem, avaliar se a realização de um ou mais itens de uma especialidade atendem ao atingimento de uma competência.

 

Ex.: Na especialidade de Pioneiria, um dos itens pede “Construir um pórtico ou latrina de campo”, que é uma atividade similar da competência da progressão do Ramo Sênior, que pede “Confeccionar sozinho uma das seguintes pioneirias: a) lixeira com tampa e pedal; b) pórtico; c) canto de lenhador; ou d) intendência suspensa”

+

É errado realizar uma feira de especialidades?

A especialidade é de interesse pessoal do jovem, cabendo ao escotista a orientação e incentivo. Sendo assim, é possível realizar feiras de especialidades, com o objetivo de apresentar novos temas aos jovens e não buscando a conquista dos itens pela simples participação na atividade.

 

As exceções serão os casos onde na feira de especialidades é ofertada algum tipo de palestra ou atividade que a simples participação nela, compreenda a realização do item por parte dos jovens.

+

No caso de um examinador fora do movimento escoteiro. Como o escotista deve se relacionar com este examinador?

Nos casos em que existe um examinador de fora do Movimento Escoteiro, é fundamental que, inicialmente, o escotista explique tanto o objetivo e a importância das especialidades, quanto o papel do examinador. Ao escotista caberá a orientação e a confiança do retorno do examinador, que deverá ser contatado em caso de dúvidas.

+

Como os Escoteiros do Brasil se insere no Escotismo Mundial?

A Equipe Nacional de Relações Internacionais (ENRI), sob a coordenação da Comissária Internacional, operacionaliza a Política de Relações Internacionais dos Escoteiros do Brasil, definida pelo Conselho de Administração Nacional (CAN) de acordo com o Planejamento Estratégico.

A ENRI mantém e coordena as relações institucionais em nível internacional, especialmente com as demais Organizações Nacionais Escoteiras integrantes da MME, os Comitês Mundial e Interamericano, seus organismos e demais entidades internacionais relacionadas com o Movimento Escoteiro, além de coordenar contingentes e delegações brasileiras a eventos internacionais.

+

Qual a função da Equipe Internacional e da Comissária Internacional?

A Comissária Internacional coordena a ENRI e representa os Escoteiros do Brasil perante as Organizações Escoteiras Nacionais (NSO) em outros países e com o Comitê (WSC) e Escritório Mundial (WSB), promovendo a paz, a compreensão e a cooperação local, nacional e internacional.

+

Como está estruturado o movimento escoteiro mundial?

A Organização Mundial do Movimento Escoteiro (OMME) é organizada de acordo com a Constituição Escoteira Mundial, (<inserir link, veja aqui>). Cada país filiado possui sua representação nacional, a qual tem obrigação de zelar pelos Princípios do Movimento Escoteiro, possuindo liberdade para realizar adaptações conforme necessidades locais (uniforme, programa, formação de adultos, etc.). A Conferência Mundial é a “Assembleia Geral” da Organização Mundial, composta por representantes das organizações nacionais dos países membros. Reúne-se, a cada três, anos num local determinado pela própria Conferência Mundial. O Comitê Mundial (WSC) é o órgão executivo da Organização. Composto por 12 membros eleitos pela Conferência Mundial, pelos dois membros escolhidos pelo próprio comitê (o secretário-geral e o tesoureiro) e pelos 6 Assessores Juvenis eleitos no Fórum Escoteiro Mundial. O Bureau Mundial (WSB) é o escritório executivo da Organização e órgão de apoio da conferência e do Comitê Mundial, dá encaminhamento e providencia às deliberações destes órgãos. É dirigido por um executivo escoteiro, denominado Secretário Geral, designado pelo Comitê Mundial. O escritório mundial está sediado em Kuala Lumpur na Malásia, e mantém 6 Centros de Apoio Regionais: Interamericano, Europeu, Asiático, Africano, da Eurásia e Árabe. Os Escoteiros do Brasil pertencem à Região Interamericana.

+

O que é o passaporte Escoteiro? E para que serve?

O passaporte escoteiro é uma carta de apresentação internacional que identifica que você é um membro do Movimento Escoteiro, em qualquer país que for visitar. Deve ser solicitado 30 dias antes da sua viagem por meio do preenchimento de um formulário: solicitação de passaporte escoteiro. Veja aqui <inserir link> 

Para maiores informações envie e-mail para: internacional@escoteiros.org.br.

Atenção: o passaporte escoteiro não substitui nenhum documento oficial de viagem.

+

Quais países têm Escotismo?

Desde seu início, em 1907, o Movimento Escoteiro se espalhou pelo Mundo. A partir da publicação em inglês de “Escotismo para Rapazes” pelo fundador Baden-Powell, escotismo cruzou fronteiras e o livro foi traduzido ao redor do mundo. Em 1922, Baden-Powell promoveu a criação da Organização Mundial do Movimento Escoteiro (sigla em inglês WOSM). O Escotismo existe em 216 países e territórios ao redor do Mundo. Para se tornar membro efetivo da WOSM, a Organização Nacional Escoteira (ou NSO) precisa cumprir uma série de exigências. Hoje um total de 171 países são oficialmente filiados a WOSM. O Escotismo ocorre localmente em outros 52 países e territórios. 

+

Quantos Escoteiros existem no Mundo?

Estima-se que hoje os filiados a WOSM somam 50 milhões de pessoas entre jovens e voluntários adultos. (Somando-se os filiados a WAGGGS são mais de 60 milhões).

+

Qual a relação com as Bandeirantes?

A Federação das Bandeirantes do Brasil é filiada a WAGGGS (Organização Mundial das Guias e Bandeirantes), que é a organização coirmã fundada por Baden-Powell, com 10 milhões de membros em 150 países. Alguns países consolidaram uma única organização que são filiadas a WOSM e WAGGGS como, por exemplo, a Suécia e o Chile. As Bandeirantes são convidadas para formarem o mesmo contingente com a UEB aos eventos internacionais como Jamborees e Moots.

+

Quais são os eventos Mundiais Escoteiros?

São 3 os principais eventos mundiais escoteiros: o Jamboree Mundial, o Moot Mundial e o JOTA/JOTI.

+

O que é um Jamboree Mundial? Quem pode participar?

O Jamboree Mundial é um grande acampamento escoteiro que ocorre de quatro em quatro anos. O evento reúne jovens entre 14 e 17 anos durante 10 dias para celebrar a fraternidade mundial escoteira, conhecer novos amigos culturas e ter experiências inesquecíveis. O 24º Jamboree Mundial foi realizado entre julho e agosto de 2019 no Estado da West Virginia, Estados Unidos com a participação de 41.000 pessoas. O próximo Jamboree Mundial será na Coréia do Sul em agosto de 2023. Os adultos podem participar desses eventos como: escotistas acompanhando os jovens nas patrulhas, equipe internacional de serviço (denominado IST) ou como participantes da organização do contingente brasileiro (CMT).  

+

O que é Moot Mundial? Quem pode participar?

O Moot Mundial é um grande acampamento escoteiro que ocorre de quatro em quatro anos. O evento reúne jovens adultos entre 18 e 25 anos durante 10 dias para celebrar a fraternidade mundial escoteira, conhecer novos amigos culturas e ter experiências inesquecíveis. Os adultos podem participar desses eventos como: escotistas acompanhando os jovens nas patrulhas, equipe internacional de serviço (denominado IST) ou como participantes da organização do contingente brasileiro (CMT). O 15º Moot Mundial foi realizado entre julho de 2017 na Islândia com a participação de 2.000 pessoas O próximo Moot Mundial será na República da Irlanda em julho de 2021.

+

Quanto custa participar de um evento internacional?

A composição do custo de um Jamboree ou Moot internacional compreende: a taxa do evento, taxa administrativa dos Escoteiros do Brasil, passagem aérea, custo de vistos e seguro viagem. Naturalmente, esse valor pode ser maior se você acrescentar algum turismo na sua viagem ao evento.

Os Jamboree Mundiais custam em torno de USD3500 a USD5000. Um Jamboree Panamericano, tem custo menor entre USD 1500 e USD3000.

+

O que é o JOTA/JOTI? Como posso participar?

JOTA, JOTI é uma sigla/ abreviação de Jamboree-On-The-Air e Jamboree-On-The-Internet (JOTA-JOTI). É um evento internacional e oficial da Organização Mundial do Movimento Escoteiro. O objetivo do JOTA-JOTI é permitir e incentivar jovens do Movimento Escoteiro de todas as idades ao redor do mundo para se comunicar uns com os outros por meio de rádio amador e internet, proporcionando uma experiência divertida e educativa, fortalecendo novas amizades e o sentimento de pertencimento ao Movimento Escoteiro em todo o mundo.

Cada Organização Escoteira Nacional nomeia um Coordenador Nacional do JOTA-JOTI (designado por “NJCs”). Os NJCs são o principal ponto de contato entre a UEB e a coordenação Mundial do JOTA -JOTI. 

O JOTA-JOTI é realizado anualmente no mês de outubro. Em 2020, ocorreu uma edição especial por conta da pandemia mundial do COVID-19.

+

Além dos eventos, existem oportunidades internacionais em que posso participar como voluntário?

Sim, com certa frequência existem chamadas internacionais pedindo a colaboração de v voluntários em Equipes de Trabalho, tanto na Região Interamericana como em nível Mundial. Quando esses processos surgem, a Equipe de Relação Internacionais prepara processos seletivos junto a voluntários registrados nos Escoteiros do Brasil.

+

Por onde fico sabendo dos processos seletivos internacionais?

É importante ficar sempre atento no site dos Escoteiros do Brasil e nas mídias sociais, onde os editais estarão disponíveis para seleção de candidatos a representação ou grupos de trabalhos em nível Interamericano, Mundial, bem como de instituições parceiras mundiais (ex. UNESCO, UNICEF).

+

Como constituir a pessoa jurídica para a minha Unidade Escoteira Local?

O ideal é que a sua Unidade Escoteira seja constituída como uma associação privada sem fins econômicos (CNAE 9499-5/0, Natureza 399-9). Para isso, os integrantes da UEL´s deverão adotar os seguintes procedimentos:

  1. convocar Assembleia de Constituição de Associação;
  2. realizar a Assembleia, com lista de presença dos presente à reunião, com a aprovação do Estatuto (usar modelo fornecido pela Escoteiros do Brasil) e eleição dos integrantes da Diretoria e do Conselho Fiscal;
  3. Elaboração da Ata de Constituição, com indicação expressa de aprovação do Estatuto, eleição, posse e mandato dos eleitos; e,
  4. Registrar a Ata de Constituição e o Estatuto Social no Cartório de Registro de Pessoas Jurídicas do Município, juntamente com o requerimento de registro (2 cópias de cada documento, devidamente rubricados, assinados e com reconhecimento de firma do Presidente eleito).
+

Como obter o CNPJ da minha Unidade Escoteira Local?

Para obter o CNPJ, a sua UEL deverá estar devidamente registrada como uma associação privada sem fins econômicos perante o Cartório de Registro de Pessoas Jurídicas de seu Município.

Após o registro, você deverá solicitar a inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica – CNPJ, através do endereço eletrônico http://www.redesim.gov.br/ e adotar os procedimentos indicados pela Receita Federal. Com o cadastro realizado e finalizado, você deverá encaminhar cópia autenticada da Ata de Eleição e do Estatuto para o endereço da Agência da Receita Federal que for indicada pelo site.

Mas lembre-se que com a emissão do CNPJ, sua UEL já está constituída e as obrigações fiscais e tributárias deverão a ser acompanhadas e entregues por um profissional contador.

+

Como faço para denunciar um caso de infração aos Códigos e Políticas de Integridade?

Há duas formas de realizar uma denúncia:

  1. Através do email denuncias@escoteiros.org.br ; ou,
  2. No Canal de Conduta dentro do site da Escoteiros do Brasil.

As denúncias são recebidas pela Diretoria de Integridade com sigilo e confidencialidade. Denúncias anônimas somente são possíveis através do Canal de Conduta em nosso site e não possuem acompanhamento e nem retorno de andamento exatamente para resguardar o anonimato.

 

+
Skip to content