Escoteiros do Brasil - Educação e lazer para crianças e jovens

Posicionamento oficial sobre homoafetividade

20 de Maio de 2015


Considerando que o Escotismo √© um movimento educacional que visa contribuir para que os jovens desenvolvam seu car√°ter; que os princ√≠pios adotados pelos Escoteiros do Brasil norteiam, em seus deveres para com o pr√≥ximo, a valoriza√ß√£o dos direitos humanos, com respeito aos diferentes modos de pensar; o respeito √† natureza particular dos sexos, sem quaisquer preconceitos, e, no plano das rela√ß√Ķes pessoais, os jovens s√£o convidados a desenvolver sua afetividade com respeito e pautando pelo amor seu comportamento sexual;

 

Considerando que estão entre os princípios fundamentais do Programa Educativo dos Escoteiros do Brasil:

  • A determina√ß√£o de que o Escotismo deve atender √†s necessidades dos jovens de todos os segmentos da sociedade, devendo ser flex√≠vel para adaptar-se a diversidade de qualquer natureza;
  • O pressuposto de que as pr√°ticas educativas devem ser vinculadas com a realidade dos jovens e conectadas com as frequentes mudan√ßas da sociedade;

Considerando que o Planejamento Estratégico dos Escoteiros do Brasil almeja:

  • Propiciar o desenvolvimento de atitudes pr√°ticas e comportamentos para a vida, estimulando os jovens a contribuir na constru√ß√£o de uma sociedade mais justa e solid√°ria;
  • Oferecer material permanentemente atualizado para a forma√ß√£o de adultos, incorporando temas que contemplem os valores assumidos pela Institui√ß√£o;

Considerando que os Escoteiros do Brasil fazem parte do Conselho Nacional da Juventude (Conjuve), assumindo papel relevante na formula√ß√£o de pol√≠ticas p√ļblicas para jovens, sendo formadores de opini√£o; que a quest√£o da homoafetividade vem ganhando aten√ß√£o da sociedade de forma geral, sendo frequentemente abordada na m√≠dia, e que, por diversas vezes, a Institui√ß√£o vem sendo questionada sobre seu posicionamento a respeito;

Considerando que a Organiza√ß√£o das Na√ß√Ķes Unidas reconhece o direito da popula√ß√£o LGBT dentro do marco legal dos Direitos Humanos, a partir das resolu√ß√Ķes adotadas pela sua Assembleia Geral em 2011, apoiadas pelo Brasil e outros 95 estados membros, e pelo documento ‚ÄúNascidos Livres e Iguais – orienta√ß√£o sexual e identidade de g√™nero no regime internacional dos Direitos Humanos‚ÄĚ de 2012;

Considerando que a Rede Nacional de Jovens Líderes, por intermédio da Carta de Natal, recomendou uma maior discussão do tema homoafetividade pelos Escoteiros do Brasil;

E considerando ainda a ampla pesquisa realizada com os adultos associados aos Escoteiros do Brasil, ouvidos todos os Estados brasileiros e o Distrito Federal, complementada com grupos focais realizados em diversos estados,

O Conselho de Administração Nacional apresenta o Posicionamento dos Escoteiros do Brasil em relação ao tema:

1) A homofobia, bem como qualquer outro tipo de discrimina√ß√£o, √© contr√°ria aos princ√≠pios escoteiros de toler√Ęncia e respeito √†s diferentes formas de pensar, sendo portanto, um comportamento que exige medidas educativas por estar em desacordo com os princ√≠pios e os valores do Movimento Escoteiro;

2) Observada a Pol√≠tica de Prote√ß√£o Infantojuvenil dos Escoteiros do Brasil, as rela√ß√Ķes homoafetivas e heteroafetivas s√£o respeitadas no Movimento Escoteiro, tanto para membros juvenis, quanto para os volunt√°rios adultos;

3) O tema faz parte da ampla temática dos Direitos Humanos, sendo abordado no Programa dos Ramos Lobinho, Escoteiro, Sênior e Pioneiro, de forma diferenciada, própria para cada faixa etária e com material de apoio adequado;

4) O tema faz parte do conte√ļdo de cursos de forma√ß√£o de adultos, permanentemente revisto e adaptado √†s novas realidades.

Curitiba, 18 de abril de 2015.

M√°rcio Andrade Cavalcanti de Albuquerque
Presidente do Conselho de Administração Nacional

Fale

Conosco

Escoteiros do Brasil - Educação e lazer para crianças e jovens