Escoteiros do Brasil - Educação e lazer para crianças e jovens

A saga para encontrar Getlio Vargas


08/12/2014 09:45:46


Mil e quatrocentos quilmetros a p de Antonina at o Rio de Janeiro em quase 45 dias. Essa foi a saga de cinco escoteiros do litoral do Paran no comeo da dcada de 40. Era dia 16 de dezembro de 1941 quando o grupo rumou ento capital federal com a misso de entregar uma carta de apelo ao presidente Getlio Vargas. Naquele ano, os escritrios martimos da Companhia de Navegao Costeira e Lloyd Nacional de Antonina tinham sido fechados por ordem presidencial.


As duas empresas representavam cerca de metade da movimentao de cargas e de mo de obra porturia na cidade. O desemprego e o desespero bateram em centenas de famlias antoninenses. Para cobrar uma atitude do mandatrio do pas, Manoel Eufrsio Picano, que era o chefe dos Escoteiros da cidade, convocou a tropa para uma misso nada fcil. Ele teria dito, segundo um artigo escrito em 1971 por Admaro Santos: S vocs, meninos, podero sensibilizar o mandatrio da nao, a ponto de fazer Sua Excelncia ouvir os clamores do nosso povo. Mas vocs tero de ir a p at l.

Incrdulos, os rapazes que tinham entre 15 e 18 anos se entreolharam e desconfiaram. Mas era verdade. Era preciso apelar para que Vargas voltasse atrs de sua deciso. Duas comisses j haviam tentado em vo contato com o presidente. A situao da cidade era calamitosa. A tristeza e melancolia imperavam nas ruas de Antonina. Alguma alternativa deveria surgir. Nada melhor que uma ao que sensibilizasse o ento presidente do Brasil.

Pela antiga estrada da Ribeira, os cinco meninos fardados de escoteiro caminharam rumo capital federal. Sofreram com chuva, fome, calor, frio e calos nos ps. Sem falar dos riscos de picadas de cobras ou at serem atacados por outros animais selvagens. Os rapazes Milton Horibe, Manoel Antnio de Oliveira, Antnio Jos Gonalves, Ldio Santos Cabreira e Alberto Shtorach encararam os seus medos e munidos com uma mochila com roupas, alimentos e dinheiro partiram com a aguardada carta em mos.

Eles chegaram ao destino somente no dia 30 de janeiro do ano seguinte. Foram quase 45 dias longe dos familiares e de suas casas caminhando entre matas, estradas poeirentas, pontes e cidades.

Mas a jornada ainda estava longe de terminar. Era preciso entregar a dita carta a Vargas. A situao no era das mais fceis. Como conseguir uma agenda com o homem mais importante do pas naquele perodo? Tiveram de se alojar mais alguns dias no Rio de Janeiro esperando serem recebidos por Vargas. Somente no dia 19 de fevereiro, depois de contar com apoio de personalidades influentes no meio poltico, foi que Horibe entregou a Vargas a to aguardada carta.

Ao receber a mensagem das mos do escoteiro Milton Horibe, o presidente atendeu parte das reivindicaes, mandando reabrir os escritrios das empresas, que por mais alguns anos mantiveram a principal fonte de renda da cidade.

Barracas e dinheiro para a travessia

A jornada dos cinco escoteiros comeou com um desfile pelas vias de Antonina s 13 horas do dia 16 de dezembro de 1941. No dia anterior, como consta no dirio escrito por um dos escoteiros, Ldio Cabreira, foi feita toda a checagem do material que iria ser transportado durante a saga. Levaram uma quantia de 40 mil ris para o custeio da travessia. Alm disso, cada um carregava cifres que variavam de 10 mil a 20 mil ris para emergncias no meio do caminho.

Cantil, faca, machadinho, lanterna, barraca e alimentos eram obrigatrios. Cada um deles carregava cerca de 20 a 25 quilos de apetrechos. O povo de Antonina estava emocionado com a coragem dos jovens. Segundo o dirio de Cabreira, o burburinho tomou conta da cidade. Algumas pessoas achavam que os jovens no chegariam vivos ao destino, outros que tudo aquilo era uma loucura. Alguns apostavam que tudo daria certo. Numa curva da Estrada da Graciosa acenamos o ltimo adeus para aqueles que ficaram, diz o relato.

A dificuldade na empreitada no foi pouca. Eles tiveram de beber gua que estava acumulada em poas formadas por pegadas de cavalo. Com algodo na boca para filtrar aquela gua amarela cheia de mosquito saciamos nossa sede, consta no dirio. Esse episdio aconteceu no dia 19 de dezembro.

Quando chegaram no Rio de Janeiro, foram procurar o general Heitor Borges, que era presidente da Unio Brasileira dos Escoteiros, que cuidou deles, mantendo-os em um albergue dentro do Exrcito at ajudar na concretizao do encontro com Vargas em Petrpolis no dia 19 de fevereiro.

Fonte: http://www.gazetadopovo.com.br/

Fale

Conosco

Escoteiros do Brasil - Educação e lazer para crianças e jovens