Escoteiros do Brasil - Educação e lazer para crianças e jovens

Como ensinar seu filho a respeitar o diferente?

22 de junho de 2016


Lições contra intolerância e discriminação começam em casa, apontam especialistas
Crença, orientação sexual, etnia, gênero religião. Nos diferenciamos uns dos outros por uma série de fatores. Mas eles não podem justificar ações intolerantes, como a que aconteceu na semana passada, nos Estados Unidos. O episódio do massacre na boate gay Pulse, em Orlando, acende o debate: será que seu filho está sendo preparado para entender e, principalmente, respeitar o espaço do outro? Como criar uma criança para não ser intolerante e preconceituoso no futuro?
O maior desafio é como ensinar esses valores à criança de acordo com a idade dela, sem deixar de ser realista, alerta a pedagoga Mara Zanotti. “É preciso explicar o que está passando na televisão. Mas isso precisa ser feito com cuidado, para que a criança compreenda, mesmo que do jeitinho dela. Ela deve entender que não é certo alguém ser vítima só por ter uma característica qualquer”.
E a melhor forma de ensinar o respeito ao diferente é dando o bom exemplo naturalmente, sem criar “evento” para isso. “Se eu não ando, se eu puxo a perninha ao andar ou se não enxergo, existe o mesmo mundo lá fora para mim e para você”, afirma Mara, que lembra: não somos iguais. “O pai deve ensinar que não somos iguais porque somos únicos. Mas que as diferenças não são motivo para desrespeito”, orienta.
Experiência
Trocar ideias e aprender com outras pessoas é o que fazem os membros do Grupo Escoteiro do Mar Ilha de Vitória. Todos os sábados, eles se reúnem em Vitória para atividades ao ar livre baseadas em seis pilares.
“Afetivo, social, físico, intelectual, espiritual e de caráter. Todas as nossas atividades são pensando em um desses métodos ou no conjunto deles”, afirma Richardson Murta, 23 anos, um dos chefes do grupo.
Atividades e debates como a dos escoteiros são fundamentais entre as crianças, para que elas trabalhem ao máximo os valores que envolvem a convivência em grupo.
“Essa é uma questão básica para viver em sociedade. Só que a criança aprende efetivamente com tudo o que está ao seu redor”, afirma o psicólogo Luiz Romero Oliveira.
E para ensinar os valores corretos sobre respeito, os pais também precisam estar sintonizados, alerta o psicólogo. “É tão comum ver pais orgulhosos quando os filhos que mal sabem falar, já chamam alguém de “gostosa”, por exemplo. Parece nada demais, mas é o início de uma postura machista e agressiva”.
A pedagoga concorda. “A criança costuma ver o outro com um olhar muito carinhoso. A dificuldade está muito mais no adulto. É ele que causa estragos”.
O que você pode fazer pelos pequenos
Em casa

Dê o exemplo. A criança sempre vai copiar o que os adultos fazem. Se o pai manda o filho ser bondoso, mas xinga o morador de rua, cadê o exemplo? Assim não será possível cobrar boas atitudes do seu filho.
Atitudes simples. Não é preciso inventar moda com a criança. O bom exemplo vem no dia a dia. É esperar uma pessoa mais velha com o elevador aberto, oferecer ajuda a quem precisa.
O diferente existe. Não é correto adotar a lógica de que somos todos iguais. Se eu falo para uma criança branca que ela é igual à negra, ela vai estranhar. Pois elas realmente são de cores diferentes. Seu filho não está errado. Todos somos diferentes um do outro, em cor, altura, peso, tudo. Então, o diferente existe e deve ser respeitado.
Na escola
Primeiro contato. A escola é o primeiro local de contato com as diferenças, onde o respeito é essencial.
Entender o outro. Os professores podem incentivar a experiência: dinâmicas ensinando a andar sem enxergar, a desenhar com os pés e com a boca. Isso mostra que o mundo também é visto por outros ângulos.

Fonte: pedagoga Mara Zanotti

Fonte: A Gazeta

Fale

Conosco

Escoteiros do Brasil - Educação e lazer para crianças e jovens